Resenha – Cem Anos de Solidão, livro de Gabriel García Márquez

Lembro-me até hoje do dia em que meu professor de filosofia pediu para que a classe fizesse um ensaio sobre o livro “Cem Anos de Solidão”, do escritor colombiano Gabriel García Márquez. Eu fiquei encantada já que finalmente um professor passou um livro que não era fininho para que todos lessem, visto que em literatura todos tinham no máximo 150 páginas.


“Cem Anos de Solidão” é uma obra literária do gênero Romance, lançada em 1967. Conta a história dos Buendía, que viviam na vila fictícia de Macondo. O tempo acompanha todas as gerações que viram uma das personagens – Úrsula – ainda viva (e ela viveu entre 115 e 122 anos).

A verdade é que muitas vezes eu confundia algumas personagens por causa dos nomes parecidos, mas a minha edição tinha uma árvore genealógica (não sei se todas têm).

Os personagens que mais me chamaram a atenção foram Rebeca e Pietro Crespi, e meu ensaio foi justamente sobre os dois, em especial sobre os possíveis problemas psicológicos de Rebeca.

Uma curiosidade bacana é que a música “Banana Co” do Radiohead é inspirada na obra e, se você precisa de um bom motivo pra lê-la, basta que eu lhe diga que esta foi considerada a segunda obra de maior importância de toda a literatura hispânica, perdendo apenas para “Dom Quixote”, segundo o Congresso Internacional da Língua Espanhola


O cortador de pedras

O cortador de pedras, de Camila Läckberg é provavelmente uma das histórias mais confusas que já li, e uma das minhas preferidas também.

Tudo acontece em Fjallbacka, lá na Suécia e a história começa quando uma garotinha, a pequena Sara é encontrada morta, afogada no mar. O que parecia apenas um acidente infeliz porém comum muda de ares quando é descoberto que o afogamento se deu por água doce que continha sabão. Se tornando necessário então uma investigação quem assume esse caso é o policial Patrick Hedstrom, que se encontra em um momento vulnerável de sua vida, acabou de ter uma filha com sua namorada, que por acaso era amiga próxima da mãe de Sara.

A cidade, cena da história, é pequena e uma daquelas onde todos se conhecem mas para resolver esse caso e encontrar o culpado pela morte de uma menina inocente Patrick tem que descobrir o que levaria alguém a cometer tal crime, sendo assim começa a investigar a vida e o passado de todos na cidade.

O livro, que se cerca desse mistério do assassinato, acaba trazendo outras descobertas e dúvidas e a cada página você se surpreende mais. É o tipo de história que você jura que sabe qual vai ser o final mas muda de opinião a cada página.

Todas as pessoas que eu já o indiquei e leram também falaram que é um dos melhores do mundo. Eu não sei nem explicar o quão é incrível o mistério e o final dessa história. É um daqueles livros que você lê e tem certeza que daria o melhor filme do universo, pelo menos na minha cabeça esse longa-metragem ficou muito incrível.

Uma dica: se você for ler esse livro, o que definitivamente você deveria, se certifique que tem algum tempo porque não vai conseguir mais comer, dormir, respirar, viver enquanto não chegar até o último ponto.